Corrente de Artigos: Boku no Hero Academia – Simplicidade e clichês

E aí, beleza?

Essa é mais uma iniciativa da Blogosfera Otaku, colaboração mútua entre blogs da área da qual o nosso blog faz parte(clique aqui para conhecer a página e mande mensagem para ela caso tenha interesse em se juntar ao projeto). Dessa vez, o Otaku Pós-Moderno tem o prazer de inaugurar a Corrente de Artigos! Nela, os blogs participantes do projeto indicam temas entre si, de forma que o blog indicado deve produzir um texto sobre anime(s) e mangá(s) baseando-se no tema que recebeu ou abordar a aparição desse tema nas obras.

Recebemos a indicação do tema SIMPLICIDADE. Portanto, a escolha foi escrever sobre Boku no Hero Academia, obra que a gente fala bastante aqui no blog, abordando os clichês da obra e de que forma eles se relacionam como a simplicidade da história.



Revoluções criativas são relativamente comuns nas artes. Nos animes e mangás, isso não é diferente. Ao longo das décadas, ideias ficam defasadas e temáticas e estruturas narrativas se tornam lugar comum, o que obriga aos autores que buscam emplacar um sucesso a buscar novas opções na elaboração das suas obras. Esse ciclo perdura até hoje. Conhecemos algumas dessas tentativas de inovação de formato e conteúdo nas chamadas obras de “desconstrução”, onde os criadores se aproveitam de gêneros e temas já estabelecidos e os conduzem de forma a fugir dos clichês inerentes aos mesmos, estabelecendo novas e mais criativas opções para se contar histórias.

Nesse contexto de popularização das obras de desconstrução, especialmente nos últimos 10 anos, é natural que quando o público menos casual se depare com obras como Boku no Hero Academia(Bones, 2016), identifique e aponte os clichês e repetições de temas no conteúdo das mesmas. De fato, eles estão lá: há o protagonista subestimado, a exaltação à coragem e ao heroísmo, a perseverança e o trabalho duro como caminho para a redenção, entre outros. Identificados esses elementos, passemos a outros pontos: eles precisam estar ali? Um clichê necessariamente deprecia a construção de uma narrativa? As respostas dessas perguntas giram em torno de um aspecto que, embora não seja particular de Boku no Hero Academia, é o que define sua condução como obra: a simplicidade no seu conteúdo.

Vamos do início: a proposta da obra é basicamente retratar super-heróis iniciantes, com fortes influências(e às vezes, sátiras) dos quadrinhos americanos do gênero. Essa proposta obviamente sofre as coerções e influências do meio em que é publicada: quadrinhos japoneses nas páginas da Weekly Shounen Jump, revista cujo público-alvo são jovens e adolescentes do sexo masculino. Dessa mistura, surge um protagonista no estilo clássico da publicação: rapaz tímido, discriminado e jogado para baixo pela sociedade em que vive buscando, através da força de vontade, superar esses seus problemas. Seu ídolo? um musculoso super-herói no propositalmente exagerado estilo americano. Nosso primeiro questionamento tem diretamente a ver com All Might: será que essa sátira funcionaria tão bem se Midoriya, o protagonista, saísse do “padrão Jump”? Provavelmente, não.

É nesse ponto que percebemos de forma mais clara o ponto forte da obra. O conteúdo simples e “clichê” é expresso de forma muito eficiente, ao ponto de nos apegarmos aos carismáticos personagens e isso realçar as sátiras, os exageros e os toques de humor da obra. Juntando isso à parte dramática, que vem sendo extremamente bem executada na adaptação em anime, fica fácil concluir que até a “fórmula Jump”, há muito considerada engessada e batida, pode render bons frutos nas mãos certas. Isso responde à segunda das perguntas propostas em momento anterior do texto: não, os clichês de BNHA não depreciam a obra de forma geral.

Então será que a obra precisa mesmo desses clichês? Nesse ponto, entraremos em um mérito extremamente opinativo. Seguir a “fórmula Jump” muitas vezes não é uma decisão autoral, mas editorial. Sabemos por alto como a revista funciona e seguir os princípios de publicação da mesma certamente garantem uma sobrevida aos mangás nela publicados. Sabemos que, Kouhei Horikoshi, o autor do mangá, é um grande fã de quadrinhos de super-heróis. No campo da especulação, podemos pensar que esse foi o caminho mais fácil para concretizar o desejo de ter uma obra de seu gênero preferido de histórias de sua autoria na maior das publicações de mangá. E essa hipótese não seria reprovável, de forma alguma: além da simplicidade de conteúdo da obra, os personagens e a criatividade do autor carregam seu mangá de forma, até diria, independente.

É claro, os clichês poderiam ser retirados, como podem ser em qualquer história, mas será que vale a pena sacrificar uma narrativa simples e suave tendo que desenvolver conflitos e sub-tramas a mais, mesmo que pequenos em prol de um ineditismo nem tão necessário assim? A obra realmente precisa disso? Fica a discussão, vai de cada leitor. O último dos chamados “battle shounen” da Shounen Jump que foge(não completamente, mas em boa parte) dos clichês que tenhamos lido foi Hunter x Hunter, ainda em publicação. Quem leu ou lê a obra de Yoshihiro Togashi, sabe que de simples ela não tem nada.

Nossa indicação para o próximo artigo da corrente é o blog É só um desenho, que escreverá sobre o tema COMING OF AGE.

Anúncios

5 comentários sobre “Corrente de Artigos: Boku no Hero Academia – Simplicidade e clichês

  1. Rakka of Glie disse:

    Eu creio que usar a simplicidade como faz Boku no Hero Academia ajuda a manter a história numa passo confortável para uma história longa. Isso seria bom porque boa parte das pessoas no Oeste que se interessam por anime (observação minha) gostam de anime porque o meio traz histórias longas e com continuidade. Os shounens de batalha são o gênero que mais faz isso pela minha observação.
    Este desenho até agora geralmente tem algum tipo de arco simples num episódio, em que poucos elementos estão presentes, e atingem uma conclusão gratificante no final. A série só ficará mais complexa ao longo de vários episódios provavelmente. Sou ignorante do mangá e não sei se a história ficará assim até o final, mas se não ficar, é provável que eu deixe para assistir quando a temporada acabar.

  2. Carlos leonardo disse:

    acredito que boku noi hero academia sege um dos melhores animes que tenho assistido nos últimos tempos ,apesar de eu não ter um conhecimento aprofundado sobre esse mundo a simplicidade de boku no hero me fez acompanhar a historia até o momento ,até porque isso valoriza a intenção do anime que seria simplesmente que qualquer pessoa pode ser um herói ,desde que se esforce para isso!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s