Review Magi: The Labyrinth of Magic 268 – 273

Mais um pacotão de review e com Magi, vamos nessa?

20150709055237739


Magi: The Labyrinth of Magic 268 – 273

O capítulo 268 foi uma apresentação para o início da guerra, mostrando que a luta agora será encabeçada pelo estrategista Hóngmíng(Koumei) com seus irmãos e aliados importantes liderando pelotões. Do outro lado temos Bai-Long (Hakuryuu) se preparando para o mesmo. Ao que tudo indica será a inteligência de Hóngmíng contra o poder de Bai-Long.

No capítulo 269 a guerra começa pra valer. Mais uma vez mostrando que uma das armas de Bai-Long é Belial e ele usa a mentira e manipula memória e sentimentos dos seus soldados. Com isso a guerra começa muito a favor de Bai-Long, não só pelo ímpeto de seus soldados, como por já de cara deixar Hóngyù (Kougyoku) completamente perturbada depois que viu que matou conhecidos. E como ela é bem diferente dos irmãos, a reação dela é mais do que esperada. Porém podemos ver que seu irmão Hóngbà(Kouha) também compreende que a situação não é nada fácil, mas escolheu seguir o caminho onde causa menos danos aos seus aliados. Por conta de seu irmão, Hóngyù decide seguir em frente e lutar, o que é outra reação bem plausível, sendo que muitos soldados em guerra acabam lutando mais por seus companheiros, e nesse caso foi pelo seu irmão, que é uma ligação mais forte ainda.

O capítulo 270 serviu pra dar uma equilibrada no início da guerra, do jeito que eu falei acima, partindo pra estratégia de Hóngmíng, usando a genialidade que tem para servir ao seu lado nesse combate.

Os dois capítulos seguintes focaram bastante nos generais de Bai-Long, só que de início parecia que os irmãos Ren, mas só que eles tinham aliados para que eles não tivessem esse trabalho. O que deixou a situação cada vez pior para o portador de Zagan e Belial. Com o que aconteceu no final do capítulo então, putz.

Esse último capítulo foi o que mais me deixou impressionado. Esse capítulo teve uma quantidade maior de plot twists que todos os mais recentes juntos. Primeiro que apareceu uma terceira força que é quem está dando suporte para Bai-Long desde o início, e como não bastasse, eles são de um lugar que é baseado no Japão. Assim como descobrimos que a moça misteriosa ajudando Bai-Long se chama Nanaumi, e ela é do País do Demônio. Mas o mais bizarro de tudo é o que acontece no final, Takeruhiko Yamato, o rei do País do Demônio, estava aliado de Darius Leoxses, ninguém menos que o Cavaleiro-Rei de Sasan. A Aliança dos Sete Mares está do lado de Bai-Long nessa guerra. Estão entendendo tudo? O País do Demônio e Takeruhiko Yamato são a sétima força da Aliança dos Sete Mares. Sinbad está do lado de Bai-Long e contra Hongyan e seus irmãos ao que tudo indica. O jogo virou pra cacete depois disso.

Comentários Finais:

– Fui lendo todos os seis capítulos enquanto postava e por isso que pode parecer estranho a review.

– Os capítulos estão bem interessantes e esse último então, meu Deus. Deu plot twist e inclusive tivemos uma expansão de mundo, já que agora temos o sétimo país da Aliança dos Sete Mares, e duvido que um país baseado no Japão não vá ter importância na história que é feita no Japão.

– Fiz separado de As Aventuras de Sinbad pra não ficar enorme. Amanhã lerei ele e postarei aqui.

Então é isso. Comentem o que acharam do capítulos e da review, se gostaram ou não, podem comentar. Mandem críticas e sugestões, caso tenham. E até a próxima pessoal.

Curta o Otaku Pós-Moderno no Facebook | Siga o Otaku Pós-Moderno no Twitter

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s